Danousse

Borboletas no estômago e peixeira na mão
Maria bonita amava Lampião e nunca deixou de ser mulher arretada
Porque amor não te torna boba
Muito menos avoada
Quem inventa tais asneiras
É caba sem vergonha que quer deixar mulher apaixonada cega por ele
Mas há tempos que mulher manda na vida
E se apaixonada ai que mais forte fica
Vira Lisbela
Vira Tieta
Gabriela
Rosinha
Mulher pode ser mãe, pode ser pai, cangaceira, engenheira, fotógrafa, astronauta...
Pode ser o que ela quiser
E ai se for mulher nordestina é que lascou-se
Tanto forró
Tanto cuscuz
Tanto borogodó
Faz qualquer desejoso por mulher
Se perder em seus olhos, suas curvas, perder seu chão
Quando descendente de mulher casada com Lampião
Aparece em tua frente
Passa do teu lado
Deixa seu perfume
Te olha dissimulada
Te faz perder a pose
Lembrar da sapatilha
Compor um blues
E até francês falar
É pai... cuidado
Tem jeito não
E se ainda for Baiana
Danousse
Ela já levou teu coração
E tu tá ai lendo essa poesia
Morrendo de amores
Se perg…

Justifique:


Porque eu olho por meio século para algo novo que faço, que gosto.
Porque detém minha atenção até a satisfação total, até a obsolescência total-ou não.
Porque tudo que gosto me prende; porque nem tudo que tenho me prende.
Porque vivo temendo escolhas e as faço tão inconsciente quanto pulsa meu coração (e isso me conforta numa dimensão tamanha que não sou capaz de determinar).
Porque o que eu tinha e não me faz mais falta não era assim tão meu.
Porque quem eu tinha e não me faz mais falta não era assim tão meu.
Porque não só a memória, mas a vida seleciona para sobreviver-por inteligência.
Porque gavetas amarrotadas de papéis amassados são inúteis-pra isso servem os trituradores de papel.
Porque ao passo que me desfaço de recordações, factuais ou fantásticas, algo me lembra de que havia uma cópia na escrivaninha ao lado, da qual não me recordava.
Porque nem sempre trituro as cópias encontradas depois, nada é por acaso, afinal.
Porque em meio ao que me lembra lágrimas, sorrisos aparecem.
Porque não sei mais o que justifico.
Porque não lembro mais qual a pergunta.
Nem sei mais se havia pergunta.
Mas havia algo:
Uma cascata de ideias com necessidade de ser registrada.

Um orvalho: Tremo pelo frio; sorrio porque é belo.
                                                                                                                                              31/10/11

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E ai, qual vai ser?

Sobre resgate

Sendo Lírico, Eu