Danousse

Borboletas no estômago e peixeira na mão
Maria bonita amava Lampião e nunca deixou de ser mulher arretada
Porque amor não te torna boba
Muito menos avoada
Quem inventa tais asneiras
É caba sem vergonha que quer deixar mulher apaixonada cega por ele
Mas há tempos que mulher manda na vida
E se apaixonada ai que mais forte fica
Vira Lisbela
Vira Tieta
Gabriela
Rosinha
Mulher pode ser mãe, pode ser pai, cangaceira, engenheira, fotógrafa, astronauta...
Pode ser o que ela quiser
E ai se for mulher nordestina é que lascou-se
Tanto forró
Tanto cuscuz
Tanto borogodó
Faz qualquer desejoso por mulher
Se perder em seus olhos, suas curvas, perder seu chão
Quando descendente de mulher casada com Lampião
Aparece em tua frente
Passa do teu lado
Deixa seu perfume
Te olha dissimulada
Te faz perder a pose
Lembrar da sapatilha
Compor um blues
E até francês falar
É pai... cuidado
Tem jeito não
E se ainda for Baiana
Danousse
Ela já levou teu coração
E tu tá ai lendo essa poesia
Morrendo de amores
Se perg…

Quem sabe não estou desenhando...


Desenharia se soubesse fazer mais que cópias, portanto escrevo.
Mas, se você considerar que releituras nada mais são do que escrever o mesmo que antes usando palavras que não foram ditas, talvez meus textos também sejam cópias, cópias da minha vida (uma tela inacabada num canto que visito sempre que acordo- ou mesmo antes).
Talvez ainda, esteja desenhando de fato, não com traços nem cores, apenas palavras.
Mas cá entre nós, escrever é como um desenho infinito: Sua cena sempre será diferente da minha e do outro que lê posteriormente, ou mesmo daquele que leu antes de você (seus morangos não serão tão vermelhos quanto os meus; minha casa não será tão grande quanto a sua).
E assim, não só eu estarei desenhando, você também o estará- com os olhos, certamente (o que pode ver agora?).
Ainda, não há como copiar um pensamento: Sua cena, só você verá. Será original, portanto, será sua somente.
Sua aquarela não possuirá as mesmas cores da minha; sua tela não terá o mesmo tom; seu avental não terá as mesmas manchas; o pincel também será diferente (consegue contornar os cantos sem borrar?).
Leia e componha seu quadro comigo (visite-me).

Não há motivos para medos. Vá ao porão e abra a porta somente para quem desejar que pincele com você.

  ~ Qual imagem você vê agora?

                                                                          29/10/11

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre resgate

Sobre ser o teu amanhã perfeito, hoje.

E ai, qual vai ser?