Gosto de gostar do gosto que tem.


- Você é exatamente o oposto do que as pessoas dizem que eu devo gostar. E eu não gosto desse jeito que as pessoas dizem.
- Então você gosta de mim.
- Só porque eu não esperava que fosse encontrar alguém assim.
- E se esperasse?
- Logo depois me convenceria que não seria possível.

Eu gosto de descrições. Discretas descrições que te façam imaginar.
Gosto dos detalhes como onde estava a meia perdida, ou qual a cor do cabide da blusa que Enfim eu encontrei.
Gosto do que as pessoas não enxergam cotidianamente e que teimam em me convencer não ser importante.
Gosto dos de olhos penetrantes.
Gosto do gosto das palavras de quem gosta do que eu gosto.
Gosto de gostar do que ninguém gosta e assim me sentir menos cinza nessa paisagem metrificada.
Gosto de morango. Gosto que significa o gosto que eu provo não que eu gosto.
Mas ainda assim eu gosto de morangos.

- Não sei quando comecei a gostar de você.
- Quando você reparou nas minhas unhas.
- Por que acha que eu gostei de você por causa das suas unhas?
- Porque eu gosto delas.
- E eu não poderia gostar do que você não gosta em você?
- Não no primeiro encontro. Eu esconderia.
- E por que acha que comecei a gostar de você no primeiro encontro?
- Porque houve o segundo.

 Eu gosto de não gostar de pedestais. O inalcançável é solitário. O solitário não é feliz. Tenho medo de voltar a não ser feliz.
                                                                                                                                 31.01.2012

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre ser o teu amanhã perfeito, hoje.

Sobre resgate

E ai, qual vai ser?