Direito de posse.


Agora são Longos-curtos. E assim se fazem: Como degraus, subindo até a franja; em camadas que descem como ondas por minhas costas, fazendo cócegas, quase beijos. No espelho, tenho variadas versões agora: Posso deleitar-me com seu pouco comprimento esse, que por falta de coragem, há tempos não aprecio. Posso voltar à visão de suas longas mechas ainda presentes, depois de olhar de outro ângulo.
Há tempos não os modificava. Há tempos suas pontas, como secas folhas, tiravam seu acabamento, não permitiam o toque final, davam trabalho e não me satisfaziam. A franja já não era franja, mas sim algo que se perdeu no tempo tornando-se dúvida, como aquele que perde o rumo e, por não saber mais aonde vai, aceita qualquer definição, qualquer uma que o faça sentir ainda vivo.  Definiram-na como “franjão” e ela aceitou, pois, já perdida, se satisfazia com alguma caracterização ainda possível.
Sem curvas já estavam ficando. Sem formato. Sem definição. Não foi aparado, retocado, cuidado e assim o exagero o tomou e cresceu desregradamente. Também muito foi puxado: Pra um lado, pro outro, pra aquele que satisfizesse a vontade de quem o alcançasse, de quem dele tomasse posse. Foi preso, como culpado por um crime, sem pena, mesmo se rebelando. E se rebelou: Pra cima, para os lados, mesmo quando seus fios eram quebrados (principalmente quando seus fios eram quebrados).
Mas agora posso dizer que o passado se esvaiu e a penitência não há mais. Mais agradáveis e com mais motivos para sorrir, eles permitem-me horas em frente ao espelho. Que pareça fútil para os desavisados ou desconhecedores da saga, mas para mim são importantes e sempre serão. Jamais esquecidos outra vez. Talvez ainda enfrentem altas temperaturas, mas se a causa for justa, eles entenderão.

Sempre da mesma cor. Cacheados. Lisos. Curtos. Longos. Agora Longos-curtos, ainda meus. Sempre meus. Meus cabelos.

                                                                                                                             03/02/2012

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre ser o teu amanhã perfeito, hoje.

Sobre resgate

E ai, qual vai ser?