Destino traçado e alguns balões de festa.


Caso pudesse, abordaria todos os pixels nessas linhas, mas não caberiam no tempo que tenho, meu relógio reclamaria e sua bateria acabaria antes que eu chegasse na metade; minha memória me trairia e não seria capaz de cumprir tal promessa, daí prefiro dizer: De um pouco falarei, mas não considere menos importante o que ficar omitido, ou mesmo não apareça nas entrelinhas, já que muito ficará para contar numa próxima parada, para pintar numa próxima tela.
 Telas, acho que posso começar assim. As cores já foram de um todo: De pastéis à vibrantes, mas de fato predominantes nos tons de azul. Desde sempre, desde tuas primeiras aquarelas, de teus primeiros passos (não voltarei tanto assim, afinal, não posso me estender). 
 Bom, tua presença aqui no imóvel é fato, mas venho a registrá-la pela primeira vez.
 Lembro de cartas, hoje estariam amareladas, que te escrevi falando de brigas e o apesar delas, como lembro de tu que dizias que eu sempre escrevia sobre.
 E se de fato escrevia, era só pra registrar que independente do que fosse dito em épocas de furacões e o que eles destruíssem pela frente, a recomposição viria a cavalo (a jatinho, poderia ser mais adequado já que rápida mesmo era).
 Mas, indepentente dos tornados ou mesmo dos cavalos, sendo mais literal, eu digo: Tua autonomia sempre me causou admiração, e se tu viveste (e vives) na tranquilidade que as brisas sopram, é porque aprendeste que a paz que elas trazem significa mais do que a correria de quem não sabe o que passa a seu lado, devido a pressa de chegar, sabe Deus onde, já que no dia seguinte estará a correr mais uma vez sem alcançar de fato algum lugar ao Sol.
 Tenho veraz admiração pelo teu jeito, e o modo com usa de teus pincéis.
 Tua telas, teus dias, parecem-me pré-moldados: Como se tu soubesses exatamente o modo de agir diante de uma ou outra situação, desenrolada e sem nós (sem pontas soltas - como as que me sobram).
 De tuas paixões a amores, dos que passam aos que ficam, admiro como tu colocas cada um deles em seu merecido vagão, sem permitir que o passageiro de ultima hora frequente a primeira classe.
 Teu tempo é o presente. E de presente o faz literalmente. Se há tempo, há que se aproveitá-lo. Se há portas, há que se abrir, há que se  tocar o interfone, ao menos, mas, nunca deixar que elas se fechem. 
E, se te digo isso é mais uma vez por admiração. Coragem ou um jeito de viver, eu diria que Humberto Gessinger fez metafísica referência a ti ao cantar "sem passado, nem futuro, eu vivo um dia de cada vez" ainda, diferente do contexto dele, digo que a ti pertence o presente, pois sabes aproveitá-lo em essência, até a última gota, como quem não se importa com os degraus - mas caso exista um tobogã do lado, logicamente o preferirá.
 Sem querer os clichês (e mesmo não acreditando que são), ouso-me a determinar alguns máximos teus:

~ Se a vida pode ser divertida, que seja ao máximo!
~ Se podes trabalhar menos e viver mais, que seja feito!
~ Se as férias puderem ser estendidas, nunca exite (mas não fique em casa, o tédio é proibido).
~ Conhecimento é preciso, mas não é necessária uma biblioteca interminável, leia, mas há a praia e Sol.
~ Conforto e moda, perfumes e beleza, sim senhor!
~ Não seja pobre de espírito, não fale asneiras.
~ Atenção, procure não apenas responda, afinal, responder é educação, interesse é outra coisa...
~ Cante se souber, aprenda o que puder, seja independente.
~ Seja livre.
~ Viva livre!
~ Desmanche as algemas, "desate o nó que te prendeu a uma pessoa que nunca te mereceu".
~ Deixe o passado no pretérito. Faça-o sempre perfeito, para que o presente seja uma dádiva, para que tuas linhas sejam limpas, para que teu caminho seja livre
 Se a tu coubesses a escolha, agradeceria por ser minha irmã, mas como não o foi, espero que o destino seja agradável pra ti, porque se Deus um dia escolheu as pessoas pra minha vida, estou certa que escolha melhor Ele não poderia ter feito, alguém igual não há de ter.

Então, Feliz Aniversário. Que venha sendo feliz desde 1991.

Parabéns! Para que tenha bens. Para que tenha bons amigos.

Para que tenha um bem... Um bom.. Um amor que te leve aos céus e que nunca queira controlar teus passos (daí ele se dará mal).

  Ano que vem, renovarei as felicitações para que elas permaneçam sólidas e tua casa, teu imóvel, seja concreta.
 Deixo beijos, e as marcas definitivas em meu avental.

Deixo ainda o desejo de que as analogias que aqui uso não te façam perder, mas permitam-te desenhar algumas imagens do que quero te dizer - espero te dizer. E que venhas comigo nessa empreitada, nessas cenas, nessa de compactoimóvel.

Comentários

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre ser o teu amanhã perfeito, hoje.

Sobre resgate

E ai, qual vai ser?