Lareira, convite e conversa.



Sobre tortas tenho a dizer,
sobre morangos e camadas
coberturas  tenho a fazer
e histórias das mais bem contadas.

Visite-me num dia de chuva
que em frente a lareira conversaremos
sobre paraquedas e palavras mudas
nas que mudaram vidas, focaremos.

Poderás contar para mim
o teu insano devaneio
do ócio à ouverdose, em fim
daquele inverno, sem receio.

Tomaremos chá, café, sentaremos ao chão
nada importará além da rima do refrão
do verso, da canção, da poesia
do sol, lá no alto, ao meio dia.

À noite seremos os mesmos,
haverá noite enquanto quisermos
aqui o relógio vive infermo
o atrasaremos enquanto pudermos.

À nós foi investido um poder
de guiar o que há de importante
então só precisaremos ser
amigos, compadres (ou mesmo amantes).

Sobre o tempo já foi escrito
sobre baterias e poder
sobre cama e solstício
amor, paixão, amanhecer.

Noites foram contadas
cobertores e janelas
sobre flores mal amadas
preciosas como esferas
de ouro, rubi, diamante
e o desejo do ser amante
continua guardado, à espera

(tua).


Ainda desejo saber
se comigo tomarás café
canecas tenho a oferecer
aceitaria mesmo um "Até

algum dia, boa amiga
no qual nos reencontraremos
quem sabe numa noite mal dormida
enfim, à sós estaremos".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre ser o teu amanhã perfeito, hoje.

Sobre resgate

E ai, qual vai ser?