Desista.


Não acredito no seu ceticismo.
Lúcida de menos, sou mais o que sonho.
Não me venha com essa de (des)significar, tudo está certo, exatamente no lugar que nunca esteve.
Se não pode ver ou sentir, sinto muito.
Sou crente demais para o que você descarta.

Olhar do ângulo errado faz do certo torto.

Seu ângulo é obtuso demais e agudo de menos. Não seja tão reto. Tão cético.
Por não saber explicar, diz-me que não é;
por não saber explicar, digo-lhe tudo que pode ser.
Porque não será agora, mas num dia que faça sentido.
Não o mate que eu não deixarei e numa gaveta estarás a salvo de seus punhos.
Não o tire assim de mim que você não conseguirá.
Quanto tempo levar, quanto dele precisar, mas ficarás comigo, estarás comigo mesmo sem saber,

tu.

Quanto a você...

Já sabe o que fazer.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre ser o teu amanhã perfeito, hoje.

Sobre resgate

E ai, qual vai ser?