Danousse

Borboletas no estômago e peixeira na mão
Maria bonita amava Lampião e nunca deixou de ser mulher arretada
Porque amor não te torna boba
Muito menos avoada
Quem inventa tais asneiras
É caba sem vergonha que quer deixar mulher apaixonada cega por ele
Mas há tempos que mulher manda na vida
E se apaixonada ai que mais forte fica
Vira Lisbela
Vira Tieta
Gabriela
Rosinha
Mulher pode ser mãe, pode ser pai, cangaceira, engenheira, fotógrafa, astronauta...
Pode ser o que ela quiser
E ai se for mulher nordestina é que lascou-se
Tanto forró
Tanto cuscuz
Tanto borogodó
Faz qualquer desejoso por mulher
Se perder em seus olhos, suas curvas, perder seu chão
Quando descendente de mulher casada com Lampião
Aparece em tua frente
Passa do teu lado
Deixa seu perfume
Te olha dissimulada
Te faz perder a pose
Lembrar da sapatilha
Compor um blues
E até francês falar
É pai... cuidado
Tem jeito não
E se ainda for Baiana
Danousse
Ela já levou teu coração
E tu tá ai lendo essa poesia
Morrendo de amores
Se perg…

Sem consolo


Não tem jeito. Não me acostumo e essa história de depois melhora é farsa de consolador barato. Lágrimas podem não cair mas basta estar a caminho do guichê que me vem a saudade mesmo quando és tu quem me levas à compra. De passagens nas mãos sinto todos os dias de saudade que virão. As semanas passando como tartarugas e as noites mal dormidas entre lençóis frios, suo de calor que o ventilador ameniza, mas o frio não passa, gelando meu peito, minha mente procura no escuro aquilo que ela não vê, aquele que não vem porque sei que te terei dias a mais, mas enquanto não chegam tais, procuro te pintar em cada brecha de luz que ilumina um móvel pelo quarto e permite-me desenhar tua feição, teus traços, enquanto meu travesseiro traz teu cheiro, onde outro dia esteve só, a recostar tua cabeça, meus lençóis, mesmo outros, guardam teus contornos e eu quero que tu estejas ali. E por saber de tudo isso hoje durmo em saudade, como vivendo as próximas semanas nesses minutos. Amanhã estarei contigo, mas quero mais, quero depois e o depois do depois também. Posso te ter em 6/7 por semana, juro que posso; sei ainda que te tenho mesmo longe, mas sem beijos e abraços teus, como sanarei esse frio?

Vem, meu bem, vem comigo e me traz pra perto de ti. Traz-me de lá que em algum lugar estamos a sós. 
00:17
17/02/2013

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

E ai, qual vai ser?

Sobre resgate

Sendo Lírico, Eu