Jamais monocromática luz

Tenho muitos sentimentos e isso não é de hoje
Já achei que acharia a cura, e na procura enfim sanaria
algum tipo de enfermidade que me convenci de ter,
por não encontrar nos meus identificação qualquer.

Hoje não me atormenta mais quando sou única a dizer
palavras sem sentido, planos e hobbies que nada oferecerem
aos desencantados pelas letras, poesias e versos
escondidos do inverso de a certeza de viver.

Se convencem da não-dúvida quem ao menos provariam
não sei como pensam e o que pensam ao dormir
enquanto em meu leito me deletito em possibilidades
e julgo meu passado por um dia a mais ter deixado de sorrir.

O pretérito não desejo mudar, imperfeito continuará a ser
não o trocaria por um qualquer, vulgar
esse perfeito que você julga ter;
acabado e sem sentido, sem ao menos ter durado
continuado, se extendido, uma ação, um reles passado.

Minha memória e meus textos me trazem o presente
de outrora vivido e descrito nessas linhas,
inspirações e horas sem sono
sem as quais não viveria, seria abandono.

Agora posso enxergar quão cinza desejaram que eu fosse,
dou Graças por não ter sido covarde e me perdido de mim,
sei que seria julgada por meus ideais abandonar
depois de ser pisoteada pelos mesmos que me quiseram parametrizar.

Comentários

  1. Belíssimo! Ri, reli, novamente li e assim prosseguirei!

    ResponderExcluir
  2. Obrigada. :)
    Cada vez lido, um sentido novo.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre ser o teu amanhã perfeito, hoje.

Sobre resgate

E ai, qual vai ser?