Danousse

Borboletas no estômago e peixeira na mão
Maria bonita amava Lampião e nunca deixou de ser mulher arretada
Porque amor não te torna boba
Muito menos avoada
Quem inventa tais asneiras
É caba sem vergonha que quer deixar mulher apaixonada cega por ele
Mas há tempos que mulher manda na vida
E se apaixonada ai que mais forte fica
Vira Lisbela
Vira Tieta
Gabriela
Rosinha
Mulher pode ser mãe, pode ser pai, cangaceira, engenheira, fotógrafa, astronauta...
Pode ser o que ela quiser
E ai se for mulher nordestina é que lascou-se
Tanto forró
Tanto cuscuz
Tanto borogodó
Faz qualquer desejoso por mulher
Se perder em seus olhos, suas curvas, perder seu chão
Quando descendente de mulher casada com Lampião
Aparece em tua frente
Passa do teu lado
Deixa seu perfume
Te olha dissimulada
Te faz perder a pose
Lembrar da sapatilha
Compor um blues
E até francês falar
É pai... cuidado
Tem jeito não
E se ainda for Baiana
Danousse
Ela já levou teu coração
E tu tá ai lendo essa poesia
Morrendo de amores
Se perg…

Linhas feito flash

Vejo as fotos e lembro que não as tenho (não as temos).
Não nos vejo esbanjando sorrisos quadrados, envidraçados, obrigados por câmera presente, demonstrando felicidade, às vezes ausente, a espectadores anônimos, desconhecidos e sedentos.
 Não vejo provas dos dias vividos feito marcas de luz no papel, ou digital efeito, da alegria do momento passado (não vejo mais o passado, agora).
 Em verdade vejo, as linhas trazem-me:
teu sorriso em traço, de espontânea alegria no instante não clicado por câmera ausente de fotógrafo inexistente depois de um cego beijo, depois de desperta manhã,
tua voz
nossa pele
teu perfume
 Sem fotos
                 do sono acordado
                 do banho tomado
                 do cabelo penteado         
 Cada passo registrado aqui, na tua mente, na minha mente, que tantas fotos que fossem não seriam tão preciosas.
 Traço essas linhas e nos faço tela, sem moldura, efeito ou flash;
                                                   escrevo
                                                   descrevo
                                                   trago pra mim,
te trago assim, o mais profundo que posso, até te exalar, até me embriagar da tua permanente presença em mim.

A luz não capturada do teu tímido sorriso não o prende ao papel, mas o liberta em memória minha.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre resgate

Sobre ser o teu amanhã perfeito, hoje.

E ai, qual vai ser?