Perdi e ganhei

Já fui aquela que detinha o know-how
aquela que achava que você não era bom (o suficiente)
e que nada mais era tão natural
como o jeito que fazia tudo, simplesmente.

Tudo resumido em academia,
era o lugar aconchegante
fora de lá, não havia autonomia
para sorrir mais adiante.

Dizem que a sorte tem de suas vontades
e tudo não te permite ter
se, no amor, tem a vontade
nos negócios não há de ter.

Os outros eram só os outros... e só
não foi Leoni que ensinou-me, em hora aquela
mas a confiança de uma vida inteira
sem o sofrimento de uma perda maior.

Mas Deus quis tirar de mim a pretensão
quis-me mostrar que sou tão humana e falha quanto o outro
que sou o outro que estendia a mão, que julgava em silêncio
mesmo afirmando: "Jamais, não!".

Sou o reflexo do que não via
ao espelho enfrentar
minha feridas estão a mostra,
as que antes não pareciam estar

e há motivo pra tudo isso,
há porque frágil, agora, parecer
preciso corrigir defeitos
pra que o outro eu não venha mais a entristecer,

hoje tenho que encontrar a fortaleza que antes tinha
mas deixando de carregar o orgulho que pesava
no mesmo cesto que a primeira, eu mantinha.

Estou a ser reformulada como um código a ajustar,
pode parecer sem sentido e mesmo que não irá funcionar,
mas do que me adianta a perfeição querer
se cheio meu coração estará de pessoas a julgar/magoar/mal-dizer?

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre ser o teu amanhã perfeito, hoje.

Sobre resgate

E ai, qual vai ser?