Adrenalinamente

A curva do teu sorriso, feito montanha russa, por hora me faz perder a fala, por hora, encontrá-la em estado desumano, desesperadamente tentando gritar o que ninguém entende.Eu não entendo.Explica-me?

doce salgado mar de outro, algum, qualquer lugar

e às vezes eu queria voltar
de tanto querer ir
não sei quando eu quis sair
lá da beira daquele mar

sem mais alguém barrando o sol
sem mais alguém fazendo companhia
pra aquela praia triste e fria
como um peixe e seu anzol

já não sei onde quero estar
onde estando seria feliz
já não sei onde repousar
onde descansar
o mal que a mim mesmo fiz

ao perder de todas, uma chance
duas, três e não sei mais
devo ter deixado pra trás
o que me faria ir adiante

onde entre sonhos me perco e a distância encontro
eu diria
em outro versos que ainda são
em outros tempos que ainda não passam
no mesmo embalo dos ponteiros
nunca tão ligeiros
como o voo de um falcão

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Danousse

Já não era sem tempo!

Aannnh