Postagens

Mostrando postagens de Fevereiro, 2016

Danousse

Borboletas no estômago e peixeira na mão
Maria bonita amava Lampião e nunca deixou de ser mulher arretada
Porque amor não te torna boba
Muito menos avoada
Quem inventa tais asneiras
É caba sem vergonha que quer deixar mulher apaixonada cega por ele
Mas há tempos que mulher manda na vida
E se apaixonada ai que mais forte fica
Vira Lisbela
Vira Tieta
Gabriela
Rosinha
Mulher pode ser mãe, pode ser pai, cangaceira, engenheira, fotógrafa, astronauta...
Pode ser o que ela quiser
E ai se for mulher nordestina é que lascou-se
Tanto forró
Tanto cuscuz
Tanto borogodó
Faz qualquer desejoso por mulher
Se perder em seus olhos, suas curvas, perder seu chão
Quando descendente de mulher casada com Lampião
Aparece em tua frente
Passa do teu lado
Deixa seu perfume
Te olha dissimulada
Te faz perder a pose
Lembrar da sapatilha
Compor um blues
E até francês falar
É pai... cuidado
Tem jeito não
E se ainda for Baiana
Danousse
Ela já levou teu coração
E tu tá ai lendo essa poesia
Morrendo de amores
Se perg…

Que teus olhos me vejam.

A viola desafinou, o piano perdeu as teclas e o maestro o compasso, quando tu não me avistou. Fiquei de longe te olhando, pensando em ir conversar qualquer coisa sobre motores, chassi  ou teu perfume, só pra conhecer tua voz, aparecer em tua foto, contigo prosear. Mas menina não tive coragem, então fiquei admirando, guardando cada cena, planejando contigo falar, até comentei com amigos meus, sabes como são os homens... Disseram: "vai lá ôh Romeu, não é dela que quer saber o nome?"
Porém quem disse que as pernas obedeciam o que a mente desejava, só se moviam os olhos ao te ver entre elas, querendo estar naquela foto, pra que em noite qualquer tu perguntasse "quem és aquele intruso? Meninas vocês conhecem? Nunca Vi mais mudo" só pra que em teu celular eu estivesse.
Entretanto não foi assim que prosseguiu e o tempo tomou outras rédias, foi disfarçado de outro perfil que continue a te observar e traçar e pensar e curtir.
Mas como toda vontade não demora até a ela a ge…

Sobre um tempo Transiente

Os dias passam sem acabar
E algo fica por acontecer
Perco-me de mim só de perceber
Que não restou nada no lugar Em toda bagunça não encontro
A vontade que fazia tudo acontecer
E ainda permaneço sem saber
Quando tudo isso vai acabar
(Ou voltar
Pro seu lugar) Não sei mais sobre o futuro
Desconhecido passado
Sem sorte presente
E o tempo embaraçado
Se faz distante
Distoante
Ausente Fazendo-me ter certeza
Que não mais me conheço
Ei seu moço, faça a gentileza
De mostrar um pouco mais de clareza
Nos seus ponteiros incoerentes Deixe-me apenas algumas pistas
Para que eu possa juntar
Uma dica, um sussuro
De como tudo ajeitar
E por no lugar Por favor, te peço
Já não aguento mais sentir
Um coração vazio por decreto
Uma mente sem ter para onde ir.