Isa

Adjetivo Próprio. Licença poética, neologismo, quem vai saber... ela extrapola o apelido e faz-se Bela. De coração, de alma, de atitude. Plena.
Se o mundo cobra e conta as dificuldades, ela toma uma dose de fé e vai porque sabe que não há nada mais incrível do que a fé. Crer em si, crer em Deus. E vai. Certeza, dúvida não definem as regras. Ela define as regras. Mulher forjada em corpo de menina de voz meiga ganha espaço e respeito só por  ser  ela, que de só nada tem.
Porque é enorme.
Porque atrai amor.
Porque é feita da energia boa que o mundo emana e contagia...
Porque a cada dia se faz, se reiventa e decide ser ainda mais
Bela.

Certeza de um futuro sem passado


Não sei sobre o amor,
mas sei sobre gostar.
E não nego, não brinco, escondo ou jogo,
Só gosto.
E só quero que fique quem goste de mim.
Quem queira tudo do fundo da alma.
Porque promessas tornam-se dívidas,
obrigações, se perdem no tempo;
pesam e frustram.
Sobre frustração eu sei,
dispenso.
De ti gosto, mas a espera eu dispenso.
Pra que depois ainda goste.
Pra que não desgoste de mim.
Porque seja quem venha, quem vá,
eu continuarei
e as memórias que terei
serão das decisões que tomei.
Então vá. Porque te gosto vá,
e continuarei gostando em memória,
sem tempo futuro, presente ou depois.
Sem mais, mas ou porém.
Vá  e goste de alguém,
seja de alguém e morra de amor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre ser o teu amanhã perfeito, hoje.

Sobre resgate

Mais um ano de presente