Memórias feito prosa

De tantos em tantos tempos de constante transição;
entre cachos feitos e cortados,  desfeitos à mão.
Seria essa vida então construída (de)
lamparinas, varandas e ampulhetas,
sono, socorro e entrelinhas,
de um alguns versos ainda não escritos
[Por sorte (e)
por espera do tempo que ainda vem]
de folhas ainda em branco
esperando da areia que estar por cair
lembranças ainda mais intensas
daquelas que na memória
fazem morada.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre ser o teu amanhã perfeito, hoje.

Sobre resgate

E ai, qual vai ser?