Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2017

Danousse

Borboletas no estômago e peixeira na mão
Maria bonita amava Lampião e nunca deixou de ser mulher arretada
Porque amor não te torna boba
Muito menos avoada
Quem inventa tais asneiras
É caba sem vergonha que quer deixar mulher apaixonada cega por ele
Mas há tempos que mulher manda na vida
E se apaixonada ai que mais forte fica
Vira Lisbela
Vira Tieta
Gabriela
Rosinha
Mulher pode ser mãe, pode ser pai, cangaceira, engenheira, fotógrafa, astronauta...
Pode ser o que ela quiser
E ai se for mulher nordestina é que lascou-se
Tanto forró
Tanto cuscuz
Tanto borogodó
Faz qualquer desejoso por mulher
Se perder em seus olhos, suas curvas, perder seu chão
Quando descendente de mulher casada com Lampião
Aparece em tua frente
Passa do teu lado
Deixa seu perfume
Te olha dissimulada
Te faz perder a pose
Lembrar da sapatilha
Compor um blues
E até francês falar
É pai... cuidado
Tem jeito não
E se ainda for Baiana
Danousse
Ela já levou teu coração
E tu tá ai lendo essa poesia
Morrendo de amores
Se perg…

Sobre resgate

Imagem
Se um dia a palavra te faltar, o medo invadir, alguém te calar... Se o dia sucumbir à baixo dos teus olhos, bem em baixo do teu nariz: Não os culpe, não se culpe, não faça escultura da culpa. Não se entregue. Não entregue as cartas, os reis, rainhas e valetes ainda irão te servir. 05/03/015

Hoje faço-me só (desejo).

Acorda que o dia começou antes mesmo dos teus olhos abrirem, antes mesmo de se dar conta, tu, que por mais um dia estás vivo. Acorda que hoje sou eu escrivã de carta própria endereçada, explícita, direta. Artista de tela nua, de pinceis despidos de vergonha ou rubor. E tenho a dizer, a pintar, a lembrar que
...
se da pele tua sei o cheiro, hoje verso. Se da tua boca sei o beijo, hoje escrevo: no inverso dos lençóis amassados, no suor do colchão amarrotado, no silêncio do travesseiro meu jogado ao chão, no mudo dos teus olhos, no barulho do meu quarto, tua, minha respiração. Te desenho: na cozinha que se faz ausência, no banheiro que se faz desejo, na sala que se faz disposição, no quarto ao lado que se faz inveja. E te trago, feito cigarro, pra perto do meu peito onde posso escutar todo o barulho do corpo teu, e sentir o teu cheiro. E ser o teu desconforto ao fazer palpitar teu coração: de desejo, de suor,  de cansaço estasiada, ao teu lado, deito. 26/07/17

Não te vá, não me deixa ir, de ti.

Como te colocar em fadado transporte
sem sorte esse, pra nunca mais te ter de volta?
Sem nunca mais te acessar, em memória?
"De volta", como (?) sei, se nunca te tive "de vir"...
Mas te tirar da mente e expulsar toda inspiração que me traz não parece o certo a fazer.
Esquecer é fora de questão.
De quisito.
Não cogitado.
Deixar pra trás,  pra aliviar espaço, pra quem (?) vier, mas...
Se pra trás chover? E em tempestade desafortunada assim tu te afogar? E sofrer? E morrer de mim, em tu, assim que aos poucos morreres em mim, tu...
Só de pensar não durmo.
Só de pensar não sonho.
Só de pens...
Desisto de pensar.
Desisto de te deixar partir.
Seja de barco,
navio
ou canoa.

Sobre foco e ponteiros quebrados

Quantas horas cabem no teu olhar
quando meus olhos encontram os teus?
Os ponteiros feito amnesia esquecem de andar.
O tempo congelado já não passa.
Tudo a nossa volta para.
Feito tela de galeria.
Feito tinta e papel.
Feito fotografia
tirada em momento exato:
Quando meus olhos brincando de espelho
decidem se libertar do trabalho de todo dia
e não querendo fazer mais nada, apenas
refletem os teus.
Por horas...
a fio.

Fazendo de refrão, prosa

"Adeus querida
Que Deus te guarde
Da maldade do mundo, das lágrimas de sal
Adeus meu bem, meu mundo é melhor
Mesmo com a dor de um triste final"
(...)Versos antigos se reiventam e tomam sentidos diversos pra diversos corações além...... do mais às vezes escrever pro outro é mais fácil do que afundar na própria bagunça interior.