Danousse

Borboletas no estômago e peixeira na mão
Maria bonita amava Lampião e nunca deixou de ser mulher arretada
Porque amor não te torna boba
Muito menos avoada
Quem inventa tais asneiras
É caba sem vergonha que quer deixar mulher apaixonada cega por ele
Mas há tempos que mulher manda na vida
E se apaixonada ai que mais forte fica
Vira Lisbela
Vira Tieta
Gabriela
Rosinha
Mulher pode ser mãe, pode ser pai, cangaceira, engenheira, fotógrafa, astronauta...
Pode ser o que ela quiser
E ai se for mulher nordestina é que lascou-se
Tanto forró
Tanto cuscuz
Tanto borogodó
Faz qualquer desejoso por mulher
Se perder em seus olhos, suas curvas, perder seu chão
Quando descendente de mulher casada com Lampião
Aparece em tua frente
Passa do teu lado
Deixa seu perfume
Te olha dissimulada
Te faz perder a pose
Lembrar da sapatilha
Compor um blues
E até francês falar
É pai... cuidado
Tem jeito não
E se ainda for Baiana
Danousse
Ela já levou teu coração
E tu tá ai lendo essa poesia
Morrendo de amores
Se perg…

Sendo Lírico, Eu

Quando o mundo vai entender
que ser Eu Lírico pode ser se vestir do outro?
Quando o sujeito não sabe como dizer,
a gente se veste, se despe, se pinta e se enfeita
pra alcançar a alma, pra sair do nosso corpo
e assim enxergar o que o outro sente.
É sobre empatia, amor e palavras.
É sobre desejo e vontade de escrever.
É quando a vida da gente fica pequena e o coração aperta
e o outro transborda tanto que por um momento a gente quer se afogar
e brincar de beber nem que seja uma gota da história outra que nunca vamos viver.
Ser Eu Lírico é ser mais que Eu, por um momento.
É ser livre do verbo, do sujeito, do artigo, oblíquo ou não.
E ainda assim, pedir de empréstimo alguns vocábulos,
e extravasar a alma,
até outra
alcançar.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sobre resgate

Sobre ser o teu amanhã perfeito, hoje.

E ai, qual vai ser?